BLOGGER TEMPLATES AND Gaia Layouts »

20 de jun de 2011

Por que as pessoas forjam a morte?



Por que as pessoas forjam a morte?

Outro dia cheguei ao trabalho, sentei em minha mesa, pedi um café e fui conferi meus e-mails. Em meia-hora iria começar a reunião interna, e tudo que eu queria era terminar e ir para casa. Hoje é sábado? Deveria ser proibido trabalhar nesse dia! Porém eu estava preste a entrar em sintonia, com uma reflexão profunda depois daquela manhã de trabalho.

A conversa era sobre redes sociais, blogs e etc. E de como HOJE a palavra LIBERDADE DE EXPRESSÃO tem uma maior ênfase em um mundo totalmente globalizado, onde o que antes era utopia se torna algo facilmente real.

Afinal, o progresso é nada menos que a realização das utopias. O que antes era sonho, agora é realidade. E por isso que acredito profundamente, que algumas coisas realmente não são impossíveis.

Até que meu colega chegou ao assunto sobre a apresentadora Sibele Dorsa. Para quem não sabe a apresentadora cometeu suicídio, ao pular da mesma janela que o namorado também havia se matado alguns meses antes.

A Revista Caras recebeu um processo por postar em partes, as cartas que Sibele Dorsa deixou antes de morrer. Transformou as cartas e a tragédia da jovem apresentadora, em um lixo e desprezível sistema de vendas.

É aqui que entra o começo da minha reflexão.

Por que Sibele cometeu a mesma loucura que o seu namorado?

Porque o suicídio é nada menos que uma forma de se auto culpar, diz Freud.

E quando vamos mais profundo, encontramos a definição de que o ato de se suicidar é um ato de repetição.

Por que a Caras deveria ter sido mais ética?

Apenas porque estamos falando de uma vida trágica?

Não!

Ela também deveria ter sido mais ética, porque o ato de suicídio é nada menos do que um desejo reprimido da maioria das pessoas, e o fato dela expor isso causa o efeito de repetição. (que citei acima).

Sibele não apenas repetiu o namorado porque queria “se encontrar” com ele, ou porque como espirita ela talvez acreditasse que ele estava esperando por ela. Sibele repetiu o namorado porque assim como ele, ela também achou melhor jogar os problemas pela janela.

Quem nunca quis fazer o mesmo?

Sumir, desaparecer ou até mesmo começar do zero?

Quem nunca pensou uma vez na vida, que isso talvez fosse a melhor solução?



Sejamos francos meu caro, viver exige muito mais do que a vontade de viver. É uma luta diária que envolve a busca incansável pelo ato do prazer, e que muitas vezes parece que não é suficientemente prazeroso.

Você quer ganhar mais, você quer comprar mais, você quer amar mais, você quer dançar mais, você quer namorar mais, você quer chorar mais, você quer sofrer e até mesmo gritar mais.

No fundo nada alimenta o nosso ego, mas insistimos em querer nos alimentar. A gula também mata.

Ahhhhh!!! A vida é tão linda! Só que é preciso coragem para viver.

E eu diria que é preciso ainda mais coragem, para assumir que temos sim essa SEDE de não nos sentir satisfeitos. Faz parte do homem.

A água estava apenas morna, até que você percebe o quanto ela é funda.

O desejo é nada menos do que um acidente esperando para acontecer, ou um caco de vidro jogado na praia. O desejo é perigoso, porque ele é a tentação. E podemos correr de tudo, menos correr de uma maça oferecida naquele dia de fome. A maça matou a Branca de Neve.

O desejo muitas vezes vem com uma carta na manga. Se você o julga, ele diz que é a culpa é sua. Sim, a culpa é TODA SUA! E então começamos a nos afundar naquele processo de auto julgamento, onde muitas vezes perdemos para nós mesmos. Sabemos que temos culpa por nos sentir assim, mas precisamos dizer que não temos culpa. Um ato de sobrevivência talvez. Por essa razão é mais fácil culpar o outro. Um jeito fácil de ter argumentos, quando for jogado em uma discussão dialética.

A busca pela sobrevivência não se trata apenas de forças. Temos a necessidade de nos sentir amados, de amar e acima de tudo: de morrer por amor. Ninguém nesse mundo consegue viver sozinho.

O antagonismo da morte não é apenas a vida. Também é preciso se sentir vivo, ter algo para buscar no impossível, traçar planos, sonhar e morrer sonhando. Cada um tem a sua necessidade e pré requisito de vivência e sobrevivência. Quem tem o direito de dizer, que isso não é um direito meu?

Michael Jackson sempre teve um pequeno problema: ele sempre teve tudo.

Ele tinha beleza, tinhas fãs enlouquecedoras querendo ele (inclusive eu), tinha muito dinheiro, tinha muita fama, tinha muito talento, tinha muito brilho, tinha muita inteligência, tinha muito poder, tinha muito amor e SORTE!

Só que Michael não tinha uma coisa: liberdade. Ele não tinha dinheiro para comprar isso, porque simplesmente isso não se compra…se conquista.





Desde que o homem é homem ele almeja e precisa ser livre, isso forma e denota o DNA comum que temos. É aqui que sentimos que somos irmãos. O canto dos passáros nos encantam, adoramos a aventura da montanha russa, sonhamos e ao mesmo tempo nos amedrontamos para pular de aza delta, criamos aviões, fomos até a Lua, traçamos teorias sobre o que seria as estrelas, e um dia nos fascinamos como a habilidade de poder controlar a subida da pipa. Doce ilusão, ou desejo de se libertar?

A ideia de voar sempre nos excitou. Todos nós estamos na lama, mas somente alguns conseguem ver as estrelas.

O male da nossa sociedade é apenas uma única razão ímpar: a solidão! A solidão pode matar.

Temos sede de jogar conversa fora, de rir com os amigos, de passear de mãos dadas, de fazer caretas no espelho do banheiro, de zombar dos próprios defeitos, de tomar banho de chuva, de se declarar para aquele cara bonitão.

Sabe? Perdemos aquelas coisas simples, que foram perdidas e jogadas ao vento nessa evolução humana tão cega!

Nos encontramos em uma velocidade tão irritante, que 2 minutos no trânsito parece uma eternidade. Não temos mais tempo para aquele cafézinho, ou para aquele bom que livro que você fechou faz 2 anos.

Nos tornamos máquinas, e hoje não sabemos mais como voltar a sentir o que sentiamos um dia. Somos rosto estranhos, rostos de plásticos e manequins. Chorar é coisa de menina..

Antes ser um idiota, do que um certinho infeliz.

As pessoas estão vivendo mais, estamos cada vez mais belas, só que também mais sozinhas.

Eu posso ser uma grande advogada, mas posso lamber uma tampa de yogurte. Por favor não vamos nos tornar velhos chatos, sérios e ranzinza.

Quero ser brega sim, mas quero ser feliz!

Agora ligando tudo isso que escrevi ao principal elemento disso tudo que é Michael Jackson, você fornece a ele o direito de “morrer” ?

Se compreendêssemos, nunca mais poderíamos julgar

Quem afinal matou Michael Jackson? Fomos nós.

Culpamos Michael como se ele tivesse culpa de ter nascido com talento. E o que seria dádida de Deus, se tornou o seu “castigo”.

DAMN! Por que fazer isso? Deixa Michael viver.

Eu particularmente tenho dúvidas se Michael realmente irá voltar, pois eu temo muito pela reação das pessoas. Sabe..99% não entenderia ele, e o nosso Michael sabe disso. A última coisa que Michael quer nesse mundo é machucar algum fã, ou fazer você chorar. Ele não suportaria isso.

É claro que temos aqui ameaças de morte comprovada pelo FBI e pela família, mas também vejo um desejo profundo vindo de Michael de se “matar”, de esquecer de seus problemas e viver um pouco mais livre nesse mundo, que criou em tornou dele uma prisão invisivel.

Quando Michael diz: “Eu queria desaparecer”

O que você acha que ele quis dizer com isso?

Quando Michael fala: “Congelado aos 50 anos”

O que você acha que ele quis dizer com isso?

Quando Michael fala: “Eu não quero envelhecer”

O que você acha que ele quis dizer com isso?

Quando Michael fala: “”Desaparecer é muito importante. Somos gente de mudança”

O que você acha que ele quis dizer com isso?

Quando Michael fala: “Gostaria de ir para algum lugar, onde ninguém pudesse me encontrar”

O que você REALMENTE acha que ele quis dizer isso?

Sim, o suicídio é uma repetição. É o desejo reprimido que se torna “solto”.

E forjar a morte? De alguma forma não estamos nos anulando também?

Não é a opinião da maioria, que nos dá a prova do que é certo. Eu sinceramente não costumo criar protocolos para ser seguidos, pelo contrário eu costumo quebrar eles. Eu conheço os meus limites, e por isso eu piso em todos.

Não há outro pecado além da estupidez.

Eu não estou fazendo apologia ao suicídio. NUNCA PENSE NISSO! Estou falando da vontade que temos de jogar todo os nossos problemas pela janela, de começar do zero, de ir para outro lugar, ter outro nome, começar uma nova história ou até mesmo uma nova vida.

Michael não pode simplesmente mudar de lugar, porque aonde ele for será seguido. Ao contrário de nós que se sentirmos cansados, podemos mudar de país, cidade ou endereço, e começar do zero em um novo lugar, com novos amigos e cotidiano.

É ironia idealizar a evolução, mas continuar aceitando regras traçadas cerca de 1.000 anos atrás, onde as pessoas viviam em uma outra forma de mundo.

Não deveríamos nos revolucionar?

Em 1859 Charles Darwin escreveu seu lendário e grandioso livro “A origem das espécies”. O livro ficou no prelo por 20 anos, pois Darwin tinha medo de que os conservadores da Inglaterra rejeitassem as suas ideias, pois podiam achar que ele defendia o fim na existência de Deus.

As ideias de Darwin até hoje encontram dificuldades de aceitacão nos dias atuais, ainda nos deparamos com aqueles que repelem com veemência e dogmatismo a teoria evolucionista. A teoria de Darwin afirma que o homem é descendente do macaco, e que o homem é nada menos do que uma luta pela dominação global. E sendo o resultado dessa seleção natural, isso explicaria o porquê o homem é tão agressivo como um animal feroz e valente. Por outro lado para aqueles que não aceitam as teses de Darwin, afirmam que a agressão humana é resultado de seu ambiente social. Essa reação obviamente se explica devido ao fato de estarmos falando de crenças dogmáticas, e acima de tudo de crenças intocáveis e inquestionáveis.

Isso é o maior exemplo de similaridade com a morte de Michael, e que envolve as crenças dos beLIEves. As pessoas negam os entendimentos de nós beLIEves, enquanto paradoxalmente não conseguem explicar os inúmeros erros e fatos que levam a afirmação de que Michael não morreu. Até agora o que se fez foi atribuir os fatores geradores dessa crença, ao nosso imaginário e inconformado sofrimento.



Isso é o que chamam de evolução? De fazeram apologia a liberdade de expressão, mas censurarem o que um fã em um Blog tem a dizer?

Desligue a televisão!

Quero dizer..todo mundo deveria ser LIVRE, para fazer o que quiser. A experiência é muito importante sim, mas é mais importante ainda se libertar.

Por que as pessoas tem tanta dificuldade em compreender?

Eu não estou falando de pessoas comuns, eu estou falando de pessoas que gostaria de ser COMO VOCÊ!





O primeiro artista a “sofrer” com essa teoria foi Jimmy Morrison.

Jimmy aquele jovem lindo e rebelde, e que costumava pegar todas as fãs, foi um gênio quando disse:

“Quando as portas da percepção forem abertas, nada será como antes.”
Jim Morrison ainda costumava dizer que: “Entre as coisas conhecidas e as coisas desconhecidas, existem as porta”

Talvez seja um pouco egoísmo de minha parte, mas eu acredito profundamente que as pessoas deveriam experimentar tudo que é diferente, novo, curioso e idiota.

Quando você adquire a experiência de abrir as portas, você consegue ver aquilo que muitas pessoas mesmo 50 anos nunca conseguiram ver: se surpreender!

Você já experimentou abrir as portas que envolvem a morte de Michael? Acredite: não será menor do que um choque. Nada que você descobrir será esqueci. Nada será loucura ou imaginação. Nada será como antes. É uma viagem que não tem fim.

Eu costumo não acreditar em coincidência, e talvez por isso eu sempre tenho algo de novo para te contar.

Vocês já pararam para pensar, o por quê essas Teorias Conspiratórias existem?

Elas existem apenas para acalmar os fãs incorformados? Os fãs tem sido tão criativos, a ponto de criar coisas suspeitas, ou eu diria óbvias?

Sabe.. as pessoas costumam nos chamar de loucos, mas elas se espantam quando param para nos ouvir. O que é uma contradição deliciosa!

Dizem por ai que somente quem perde a cabeça, costuma conseguir raciocionar. E não é que eu acredito nisso! ?!

Mas as pessoas nunca pensaram:

- Se tal fulano não morreu, é porque algo aconteceu para pensar que ele não tenha morrido.

Em suas noites de insonia Galileu dizia: duas verdades não podem nunca se contradizerem.

Três dias antes de sua “morte”, Jim Morrison visitou o próprio túmulo, que ele havia comprado alguns meses antes no cemitério Père Lachaise.

Isso é normal? É normal alguém normal traçar seu próprio enterro?

Ninguém viu o corpo de Jim Morrison. Quando Bill Siddons; empresário do grupo; chegou ao apartamento de Morrison, o caixão já estava lacrado.

Cade o corpo de Michael Jackson? Uma utopia que nunca será alcançada.



Pamela Courson, viúva do roqueiro, mostrou uma certidão de óbito assinada por um médico desconhecido. Ela disse que estava muito transtornada para perguntar o nome do médico, que apesar da notoriedade do defunto, preferiu ficar no anonimato até hoje.

Murray? Ainda bem que La Toya existe.

A causa da suposta morte foi ataque cardíaco, mas a polícia não fez autópsia no corpo, o que é uma prática incomum na França.

Incrível como eles sempre morrem da mesma causa! Incrível como existe sempre um ponto “comum” entre eles.

O que eu disse acima? É o efeito da repetição.

Quando o bateirista John Densmore do grupo “The doors”, visitou o túmulo do colega, não conteve a surpresa ao dizer: “Mas é pequeno demais”!

Então por que Jim Morrison teria forjado a própria morte?

Simples. O jovem rebelde se sentia velho demais para o rock’n'roll, mas novo demais para morrer. Ele no fundo queria ser um escritor pobre. Conspirólogos dizem que Morrison é o escritor THOMAS PYNCHON, autor de Vineland, O Arco¬Íris da Gravidade. E o mais engraçado é que Pynchon não se deixa fotografar, e nem fornece entrevistas.

Jim Morrison gritou dois dias antes de morrer: – Eu não quero mais isso, quero outro emprego!

Não é incrível como todos estavam cansados da fama, morreram de parada cardíaca, um médico irresponsável está sempre no meio, e envolve sempre um mistério no corpo que quase ninguém viu?

Não estou dizendo que Jim Morrison está vivo, mas estou pedindo a sua atenção para o ato de repetição que disse acima.

Jim morreu antes de Elvis.

Elvis Presley imitou Jim Morrison?







Eu tornei você um especialista na morte de Elvis, então todos sabem dos absurdos que envolvem a morte do Rei do Rock.

Elvis (como Jim Morrison) morreu de parada cardíaca, estava cansado da fama e queria outro emprego.

Elvis supostamente voltou ao mundo em forma de “Jesse”, e também teria escrito um livro. Elvis (assim como Jim Morrison) também estava em busca de um novo emprego, mas no caso do Elvis o emprego dele era como agente da polícia. E ele conseguiu.

O óbvio grita! As teorias conspiratórios que envolvem a morte de Jim Morrison, surgiram quando Elvis ainda era vivo.

Existe um limite nas suspeitas de que Jim Morrison está vivo, mas não existe limite nas clarezas de que Elvis está vivo.

Agora me deixar contar uma história para você.

James Dean é até hoje um ícone do cinema de Hollywood.

Sim, o ator rebelde que morreu em um trágico acidente de carro.

O que Michael disse sobre James Dean?

“Sim, Marilyn Monroe morreu jovem. Você não a viu envelhecer e ficar feia. Quero dizer que esse é o mistério de James Dean”

Todos morreram jovens também, porque é assim que gostariam de ser lembrados.

Normalmente ser “velho” é ser feio.

Entende?

A beleza da juventude pode ser eterna, se você morrer jovem.

Por isso Michael citou Marlyn e James Dean na frase acima. Porque eles foram lembrados sempre como jovens, ricos e belos.

Michael não queria envelhecer, ele tinha pavor disso. Não queria parecer velho para os fãs, e talvez por isso estava sempre em busca da juventude através das cirurgias.

Queira você aceitar isso ou não, é assim que Michael pensava, sentia e falava.

Eu também tenho um certo receio da velhice, e alguém nesse mundo não tem?

Não se trata de não aproveitar a vida, mas sim de saber que a vida pode estar passando. A velhice costuma ser a certeza que o fim pode estar próximo, e por isso ela costuma causar um pouco de medo.

Por isso todos dizem: aproveite juventude, curta a sua infância!

É o mesmo caso de Elvis Presley.

Elvis não queria que seus fãs o vissem gordo, feio, doente e “velho”. Muitos dizem que ele forjou a morte, porque sabia que poderia virar motivo de piada depois, e porque sabia que se continuasse a viver daquele jeito, ele acabaria morrendo de verdade.

O incrível disso tudo é que Elvis era um grande fã de James Dean. O jovem ator que morreu no auge da carreia com menos de 30 anos.

E o fato de James Dean ter morrido tão jovem, causou a morte dele algo mais atraente, inaceitável e para sempre lembrada.

Já parou para pensar que a maioria dos grandes astros mundiais, morreram jovens demais? Apenas coincidência, ou porque morrer jovem envolve um ar de uma vida tão curta?

Depois de Elvis “morrer”, surge a morte de Tupac.

Tupac imitou Elvis Presley..






A frase “Elvis não morreu” é mais conhecida do que a “ilariê” da Xuxa.

A suposta falsa morte de Tupac, tem um envolvimento especial com o número 7.

Talvez eu devesse chamar Elvis e Michael?

Tupac morreu em uma sexta-feira 13, que por sinal já é bem suspeito.

Depois da sua suposta morte um matérial inédito foi lançado, incluindo dois filmes e álbuns inéditos.

Talvez eu devesse chamar Elvis e Michael? +1 

Segundo a legislação americana, uma pessoa que forja a morte por 7 anos ou mais, não poderá ser condenada pela justiça. Ainda mais se ela sofre duas ou mais tentativas de assassinato, então ela poderá mudar a sua identidade.

No video clip da música “Toss it up” lançada após a sua morte, Tupac aparece no video usando um tênis de basquete do jogador Penny Hardaway, porém esse tênis só foi lançado no ano seguinte a sua morte. Como ele poderia estar usando este tênis, se foi lançado após a sua morte? Inclusive nesse mesmo clipe aparece uma cena em que Tupac está em frente ao espelho, e então quebra o espelho com um taco de baseball = 7 anos de azar.

No clipe da música “To love and die” (para viver ou morrer), Tupac novamente está usando um tênis que ainda não tinha sido lançado na época em que ele estava vivo.

Testemunhas dizem ter visto Tupac andando pelas ruas da Jamaica.

Sim, existe sempre essa frase: “Fulano foi visto andando por tal lugar”.

É uma pena que as pessoas não levaram isso a sério.

“Não era Elvis ali cara. Para com isso, ele morreu!!”

E lá se vai Elvis atravessando a rua..

O corpo de Tupac foi cremado, mas é contra lei cremar um corpo sem autópsia. Não existe nenhum material que comprove que a autópsia foi feita.

Tupac sempre usava um colete a prova de balas, mas naquele dia após a luta de Tyson ele curiosamente tirou o colete para ir a uma festa.

Tupac foi declarado morto às 4:03 (4+3 = 7) aos 25 anos de idade (2+5=7), e isso aconteceu exatamente 7 meses após o lançamento de “All Eyes on me”. Nove meses depois era lançado o álbum “Makaveli the 7 day Theory” = 7 dias de teoria. Nove meses simboliza o nascimendo de Tupac, que renasceu como Makaveli.

Consegue perceber a ligação especial de Tupac com o número 7?

É o ato de repetição: como Elvis.

O nome Makaveli é do famoso Nicolau Maquiavel. Maquiavel pregava como estratégia de guerra forjar a própria morte, para enganar os inimigos e depois voltar para dar o bote triunfal.

Tupac antes de morrer disse em entrevista, que gostaria de parar com a vida de rap para viver no anonimato.

Tupac assim como Jim Morrison e Elvis, também estava cansado da fama que carregava nas costas.

Do álbum “The 7 day theory” que foi lançado no ano seguinte a sua morte, também foi lançado dois clipes inéditos. Como ele poderia ter feito esses clipes antes de ter lançado o álbum, sendo que o álbum foi lançado um ano após a sua morte?

Elvis também lançou música inédita após a sua morte, assim como Michael que não para de lançar músicas inéditas, assim como videos, fotos e etc. Quer um exemplo maior do que a foto BLUE EYE? Bem, para mim a foto é de agora.

No video de Hail Mary aparece uma lápide com o nome Makaveli. A lápide está quebrada, e tem um buraco em frente a ela. Buraco = ressuscitação

Thriller?

Poucos dias após a morte de Tupac, foi lançado o video “I ain´t mad at cha”. Nesse clipe Tupac aparece morto quando saia de um teatro, e depois aparece como um anjo no céu.

WTF! Ele de fato estava prevendo a própria morte. Que coincidência!

O título “7 Day Theory” pode ser estar ligado ao fato dele ter sofrido tiros no dia 7 de setembro, e ter morrido 7 dias depois no dia 13 de setembro.

No álbum Makaveli está escrito no encarte: “Exit – 2pac, Enter – Makaveli”

= sai Tupac, entra Maquiavel.

Morte e renascimento?

Interessante ver essas coisas, de que o artista morre e volta com outro nome.

Elvis morreu e voltou como Jesse. Se lembra do anúncio da revista?

“Jesse´s comingo” (Jesse está vindo)

O produtor do cd “Makeveli” é Simon. O cara é completamente desconhecido como produtor no meio do rap norte americano. Na Biblia Simon é um apóstolo de Jesus, que é uma das primeiras testemunhas da ressurreição de Jesus.

Hmmm..

Gosto de analisar a ligação de Elvis com a Biblia, em seguida vem a ligação de Tupac com a Biblia, e por fim a ligação de Michael com a Biblia.

Reflita sobre as frases intrigantes de Tupac, presente em suas músicas depois que morreu:

No rap “Made Niggaz” Tupac diz: “Dane-se quem não entende meu plano para enriquecer, fora da lei na sepultura. Guarde minha foto”.

No rap “Niggas Done Changed” do rapar Richie Rich, Tupac diz: “levei um tiro e morri, não sei explicar como aconteceu, mas acredite: os caras irão ter o que merecem”.

No rap “Ain´t hard 2 find” Tupac diz: “ouvi rumores de que morri assassinado em sangue frio, mas foi ficção, a história foi alterada”

OMG!

Alguém me explica como ele aparece em um cd exclusivo após 1 ano de sua morte, e me canta uma música onde fala sobre a sua própria morte?



O Hospício está aberto, vem gente!

Michael tem mandado mensagens subliminares em sua músicas.

Pena que a maioria ainda não conseguiu entender, que é praticamente impossível isso não ser real.

[CONT..]

No clipe “ I wonder if Heaven got a ghetto”, o quarto que Tupac entra com uma garota é número 7. No final do clipe o relógio marca 4:03 (hora da sua morte, 4+3 = 7).

Na música inédita “Thug Luv” do Bone Thugs N´Haarmony, lançado após 2 anos da morte de Tupac, conta com a partipação de Tupac. Podemos ouvir Bizzy Bone dizendo ao fundo “Ele está vivo”. Nessa mesma música Tupac comenta de como ele gosta de ver o programa “America´s most wanted”, o qual relatou sobre a sua própria vida e morte. Como ele poderia ter visto essa programa, se foi transmitido 1 ano após a morte dele?

Michael também apareceu fazendo participações exclusivas, que até então eram desconhecidas.

[CONT..]

Aliás o nome do cd em que a música “Thuug Luv” foi lançada se chama “The art of war”, que por coincidência ou não é o nome de um dos livros de Maquiavel, além disso nesse livro Maquiavel explica como deve ser o plano de forjar a própria morte.

Por fim,

Eis que surge a “morte” de Michael Jackson, ou eu diria de Elvis Presley 2.0?

Não é novidade para você que eu tenho uma grande crença, na ligação proposital entre a morte de Elvis e Michael. Está muito claro para mim, que Michael imitou a morte de Elvis.

E nós sabemos o porquê.

Não é um desejo recém, e muito menos inédito.

Sim, acredito que Michael queria sair da vida..como Elvis.

Bem, mas não tem como ignorar o efeito de repetição, que também envolve Tupac e Michael.

Michael Jackson imitou Tupac




Eu devo confessar que sou uma grande fã de Maquiavel, e por isso acho fantástico para não dizer ironico, a forma como Tupac usou o filósofo em sua “morte”.

Para entender a morte de Michael Jackson, é preciso ler Nicolau Maquiavel.

“Nicolau foi um historiador, poeta, diplomata e músico italiano do Renascimento”.

Maquiavel entre suas teorias, defendia a morte fingida como maneira de se livrar de seus inimigos. O próprio famoso pensador chegou a forjar a morte por 7 dias, e depois voltou para se vingar dos inimigos. 

Interessante não? 

7 dias = Elvis Presley, Tupac e Michael Jackson.



Agora veja as semelhanças de Tupac e Michael:

- 16 de junho- Aniversário do Tupac e Michael recontrata Branca 

- 25 de junho (dia que Michael morreu) = 2+5=7. Nicolau Maquiavel morreu dia 21 de Junho, e Michael morreu 4 dias depois no dia 25 de Junho.

- 7/7 = Tupac foi baleado, enquanto na mesma data houve o lançamento oficial do pôster This is it.

A coisa se torna mais interessante ainda, quando paramos para ver a capa do último cd de Tupac, e a capa de “This is it”

= ressurreição.

Na capa Tupac ainda diz: “De nenhum modo nesse retrato, existe uma expressão de desrespeito com Jesus Cristo”.

- 13 de setembro = Tupac morreu, e ocorre o lançamento oficial do Trailer do filme “This is it”

Apenas conhecidência? A minha aposta é o efeito de repetição.

Consegue entender? É o que na fisica se chama de ação X reação.

Jim Morrison forjou a morte, e então despertou o desejo reprimido de Elvis, que influenciou Tupac, e que criou a mesma vontade em Michael.

Independente se Jim Morrion morreu ou não, somente a excitação de poder “sumir” fez com que Elvis pensasse na mesma coisa.

Jim achou a solução para os problemas de Elvis, Tupac e Michael.

Artistas como eles só irão achar a paz fazendo uma única coisa: morrendo.

#reflita seriamente sobre isso.

Foi o artista Michael Jackson quem morreu, não o filho de Katherine Jackson.

O número “7” foi importante para Elvis, depois foi importante para Tupac, e por fim hoje é importante para Michael.

Tupac usou o número sete como Elvis, porque assim como Michael também queria ouvir que ele não morreu.

Michael não morreu, assim como Elvis não morreu.
Ainda existe alguma dúvida sobre isso?

O caminho dos paradoxos é o caminho da verdade

Por que as pessoas forjam a morte?

Porque no fundo o que queremos é paz! Também somos agentes do silêncio.

Quem olha os dois lados, não está olhando para nada.

Não importa o que os outros pensem, porque eles vão pensar de qualquer maneira.

Deixa de lado um pouco as “leis” de ética e etiqueta que envolvem esse mundo, e tente olhar as coisas por outro ângulo. Se coloque no lugar desses exaustivos artistas, e sinta o que eles sentiram um dia.

A fama é um preço alto sim, mas não estamos falando de robôs ou mutantes. Eles também choram, sofrem, sentem dor, sangram, amam e querem viver.

John Lenon é um grande exemplo disso.

Como Bob Marley diz: “Não leve a vida tão a sério, não vamos sair vivos dela mesmo”

Já falei demais por hoje, agora eu vou sentar e olhar a vida.

Michael is alive! 

Fonte: Mulheres Luxo






0 Comments:

Post a Comment